Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quinta-feira, 05.02.15

jorge silva melo, o palco, o teatro e a apoteose do efémero

Image.jpg


Começo pelo princípio. A foto é recortada por mim de um programa dos «Artistas Unidos – Rua da Escola Politécnica, 54 - Lisboa. A propósito de Jorge Silva Melo e de uma simples brincadeira minha no Facebbok (chamei-lhe senhor Vaningen) eu lembro sempre um grande amigo, ligado à escrita e à encenação teatral que eu há anos perdi (Orlando Neves) quando, a propósito de uma peça de teatro eu lhe falei na apoteose do efémero. Repreendeu-me e afirmou ser essa frase mais um lugar-comum. Logo, eu estaria proibido de a usar, evitando-a sempre. Não me conformei na altura nem me conformo hoje pois esse tal lugar-comum (que eu não discuto) passa-me ao lado. Se hoje em 2015 eu recordo com nitidez a personagem do encadernador Vaningen que Jorge Silva Melo levou ao palco do Teatro da Cornucópia, então é porque o efémero foi vencido e se transformou em permanente. Passaram muitos anos, talvez mais de trinta mas as frases do senhor Vaningen, o encadernador, ao telefone para alguém numa grande empresa alemã nos anos 30 do século XX, continuam na minha memória: «Bom dia, fala Vaningen, o encadernador! É para dizer que os livros que mandaram encadernar na minha oficina já estão prontos e, já agora, se posso mandar a continha…» As peripécias sucedem-se, o nosso encadernador Vaningen ao telefone não tem (nem virá a ter) ninguém que o atenda e ao fim de muitos e longos minutos, acabará por desabafar para o público algo como isto: «Bando de cagalhões!». A pergunta do título da peça de Karl Valentim (salvo erro) sobre o capitalismo internacional continua hoje pertinente e cada vez mais: «E não se pode exterminá-lo?» O encadernador continua a perguntar o mesmo, hoje em dia… --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 15:13

Quinta-feira, 05.02.15

«sport almada e figueirinhas» de luís alves milheiro

Image.jpg


A história local tem o seu relevo e a sua importância no contexto geral da história regional e nacional. Os clubes (tal como os homens) não se medem aos palmos. No caso do Clube cujo lema é «Força de Vontade» e nasceu em 1964 como Sport Lisboa e Figueirinhas, percebemos que o seu primeiro nome vigorou até 1972 e tinha a ver com a paixão clubista dos seus fundadores. Sendo simpatizantes do Sport Lisboa e Benfica e dos feitos de Eusébio e Coluna, José Águas e Germano (entre muitos outros) não admira que as vitórias europeias da equipa benfiquista tenham até levado à oferta ao novo Clube de camisolas do Sport Lisboa e Benfica. O Clube alugava recintos desportivos à hora e no final do tempo o desempate era feito sempre pelos pontapés de canto conquistados por cada equipa. Como, por exemplo, acontecia na Taça de Honra da Associação de Futebol de Lisboa. Mas se o início se fixou no Futebol de 11, as alterações que se seguiram ao «25 de Abril» de 1974 permitiram ao Clube derivar para o Futebol de Salão (mais tarde Futsal), para o Futebol Feminino e para o Atletismo além das chamadas modalidades populares como o chinquilho, as setas, o tiro ao alvo e a pesca desportiva. O Sport Almada e Figueirinhas formou e revelou vários praticantes que atingiram grande destaque nacional e internacional como Alberto Chaíça, Sandra Dias, Paulo Santos, Raquel Cardina e Sara Tavares – que mais tarde se distinguiu na música ligeira como intérprete. Outro aspecto curioso é a participação deste Clube nas Marchas Populares em honra de S. João Baptista: «No ano de estreia o Sport Almada e Figueirinhas conquistou o prémio da melhor música, com a «Marcha do Cacilheiro», cujo autor foi Carlos Soares que também escreveu a letra.» Os concursos de Fado, o património do Clube, o Corso Carnavalesco, a Festa de Natal e os Bailes são capítulos do livro que antecedem a memória biográfica das grandes figuras do Clube nestes 50 anos de vida. E como diz o título «50 anos de força e vontade». (Edição: Sport Almada e Figueirinhas, Apoio: União das Juntas de Freguesia de Almada, Cacilhas, Cova da Piedade e Pragal, Prefácio: Carlos Mariano Martins, Capa: Luís Eme) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 08:50


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728