Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Sexta-feira, 13.12.13

«gare oriente» de álvaro luís

Image.jpg


A escrita poética de Álvaro Luís inscreve-se num duplo registo – geografia e cultura. Surgem no livro citações de Fernando Pessoa e de Miguel Torga. Não por acaso um dos poemas deste livro afirma: «Não é poesia / É a minha vida». Este intervalo, esta oscilação, este separador, acaba por integrar na matéria do poema não apenas a vida real mas também a memória do vivido. Como no caso do poema «Casablanca»: «Que são 500 concubinas no meio do Deserto / Comparadas com 12.000 cavalos / E tu Rick deixaste fugir a Ingrid / Porquê». Ou o encontro impossível na prática mas possível na poesia entre Calamity Jane e Buffalo Bill: «Montada no teu cavalo/Casaco pele de veado/Com franjas/Olhar de atiradora/Surgiste/E eu Buffalo Bill/Reformado/Camisa azul aos quadrados /Fiquei ali parado». A Poesia é feita de palavras como em «Nós» («Nós para unir / Nós de pesca / Nós de correr / Nós de encurtar / Nós os dois») mas também de jogos de palavras como no poema «Viagem a Marte»: «Ali estás pronta a partir / Ir para Marte contigo / Resolveria tudo momentaneamente /Ao longe as bombas vão caindo de mansinho / Será possível de vez / conquistar esta morte que me espera.» Livro também de viagens (a viagem como metáfora da vida) aqui se inscreve o lugar da infância («Senti saudades / E fui procurar-me /Ao bairro onde vivi»)ou do passado («Eu sei que a minha vida está perdida / Que o amor me abandonou há muito») mas também a Cabul («Esta manhã / O comboio para Cabul / vinha cheio») ou ainda ao tempo-memória do «25 de Abril: «Aqui posto de comando / Das Forças Armadas / Lisboa acordou sobressaltada». (Prefácio: Risoleta Pinto Pedro, Capa: Sociedade de Geografia Lisboa, Edição do Autor, Nota contracapa: José Alberto Varandas) José do Carmo Francisco --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 15:23

Sexta-feira, 13.12.13

«um vintém por cada criança encontrada pelo ermitão»

Image.jpg


Em vez da Festa de Aniversário os meus 500 anos do Bairro Alto foram celebrados numa visita à pequenina igreja dos Fiéis de Deus. Claro que joguei na Lotaria Especial do Aniversário do Bairro Alto mas, como diz a jornalista e escritora Marina Tavares Dias «quando ninguém toma conta de nada o Destino toma conta de tudo». E joguei apenas para participar e poder guardar uma cautela da recordação. O que me interessa é o que estão a fazer ao Bairro Alto: a ganância de uns e a omissão de outros instala todos os dias um ambiente misto de favela brasileira e de bairro pobre de Banguecoque. Até já temos ensaios de música de Carnaval no jardim de São Pedro de Alcântara, logo abaixo do Miradouro. Ontem a Antena Um esteve presente no Bairro («Portugal em Directo») e o ruído de fundo na esplanada era o batuque ali ao lado. Como já existem os «tuk tuk» para os turistas agora só faltam as meninas de 12 anos às portas dos bares mas já não falta tudo. Elas vão aparecer mais tarde ou mais cedo porque a crise fomenta esses desvarios, esses e outros. Os vereadores alucinados da CML estão mais interessados em fechar livrarias e alfarrabistas para abrirem hotéis. Nesta loucura e delírio nem pensam que isto é um logro - o que os turistas comem também é importado. Para eles Barateira, Guimarães, Portugal, Camões, Bocage, Biblarte – é tudo zero. Agora estão mais duas na calha, no Largo Trindade Coelho, em frente à Misericórdia que tem comprado tudo ali à volta além de ter comprado o próprio largo. «Na casa do ermitão funcionou um albergue onde se recolhiam os meninos perdidos que, encontrados extraviados de seus pais, aqui eram mantidos sob sua vigia até serem reclamados pelos progenitores. Era costume pagar por cada criança encontrada um vintém para um alqueire de trigo». Até arrepia; parece de novo 1551… José do Carmo Francisco --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 14:15


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031