Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Terça-feira, 25.06.13

vai sendo tempo de conferir à política a sua plena dimensão ética

Image.jpg


«Melo Antunes – uma biografia política» de Maria Inácia Rezola
Quase 40 anos depois do «25 de Abril» a múltipla figura de Melo Antunes
(1933-1999) surge neste livro de 774 páginas de texto mais 17 de fontes,
bibliografia e índices. O prefácio de António Lobo Antunes começa com uma
afirmação («Admirava a coragem, a rectidão, a honestidade») e prova que as
diferenças servem para unir: «Ele queria mudar a sociedade; eu, mais modesto,
apenas queria mudar o mundo». Também para clarificar: «Ao contrário do que
muitos supõem, o Ernesto não era um civil fardado: era profundamente militar».

Sendo este livro uma biografia pessoal acaba por transformar-se na biografia do
processo político do nosso país (25 de Abril, 28 de Setembro, 11 de Março, 25
de Novembro) sem esquecer o programa do MFA e o Plano Económico de Melo
Antunes, Silva Lopes, Rui Vilar e Victor Constâncio. Por aqui passam factos que
não chegaram a acontecer (Governo Fabião) e outros que aconteceram mesmo como o
PRD e a sua grande actividade na UNESCO. Afirmou António Tabucchi: «Sem Melo
Antunes Portugal continuaria a ser a sinistra prisão salazarista que conheci em
65 ou uma pequena Coreia como pretendiam os estalinistas em 75, com o seu
inevitável escritor de regime».
Melo Antunes sonhou sempre à sua maneira com um mundo mais justo: «Marxista de
formação, sonhou com fórmulas mais avançadas de democracia. Mas foi a voz da
moderação nos momentos mais radicai da Revolução e da consolidação da
democracia portuguesa». Em relação às liberdades, Melo Antunes advertiu: «não
devem ser só reservadas aos proletários mas extensivas a todas as camadas da
população». E deixou um aviso com data de 1976 que se adapta aos tempos de
hoje: «Nós não tememos o juízo da História; podemos, por isso, desprezar a
mediocridade dos fantoches do momento, que tão depressa passaram da prudência
dos bastidores para o arrojo da ribalta.»
(Editora: Âncora, Prefácio. António Lobo Antunes, Capa: Sofia Lima)
José do Carmo Francisco
--

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 12:26


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2013

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30