Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Transporte Sentimental



Sexta-feira, 29.01.16

«uma claridade que cega» de graça pires

Image.jpg


Depois do recente «Espaço livre com barcos» este «Uma claridade que cega» é o 17º título de Graça Pires num percurso iniciado em 1990 com «Poemas» - Prémio Revelação da Associação Portuguesa de Escritores. São 25 anos de actividade poética e não surpreende quando o primeiro poema do livro refere o recomeço que, afinal, todo o poema acaba por ser: «Hesitantes, as palavras / procuram um ponto de partida / um recomeço». Embora o poema eleve a voz do seu autor, é sempre o colectivo que se projecta: «Há por todo o lado palcos improvisados / onde, em bocas distorcidas, se anunciam / perigos e presságios, ameaças e avisos.» Já antes na página 8 surgira uma adversativa: «Evito que as letras ignorem o lume / perturbante onde podem arder os sonhos.» O poema não se fixa no presente, antes viaja pelo passado («Espreito pelos dedos a memória / mais longínqua da infância») pois sabe que o passado pode ser sempre revisto e é «tantas vezes vida, tantas vezes morte». Não sendo esta uma poesia de púlpito ou de panfleto, não fica fora dela o registo veemente da grande dôr daquilo que muitos chamam «reajustamento» mas que é de facto, apenas e só, «empobrecimento». Assim: «Pesa-me no peito a fadiga das mãos / enrugadas e o choro silencioso / das mães com a fome no colo.». O poema da página 29 dá origem ao título do livro: «As palavras, essas, / são arrastadas pelo vento / que geme nas montanhas / onde se pode olhar de frente / o imponderável declive da neve / que rasga no peito / uma claridade que cega». Ao longo dos séculos a Poesia sempre chamou todas as coisas pelos seus nomes mesmo quando faz uma dupla inscrição entre vida e literatura como na página 54: «Para o Poeta João Rui de Sousa Quando o dia oferece à paisagem / todas as gradações da luz / a escrita não se fatiga nas palavras. / O poeta é então um artífice discreto / pressentindo no olhar, sem explicação / o manejo das mãos enfeitiçadas / pelo gesto acabado, a marginar um sonho.» (Editora: Poética Edições, Colecção: Poesia) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 09:12


1 comentário

De Graça Pires a 29.01.2016 às 10:50

Obrigada meu querido amigo, Zé do Carmo pela carinho das tuas palavras. Generoso como sempre fazes da Amizade um lugar de afectos. Bem hajas.
Um beijo.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Visitas