Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quinta-feira, 01.05.14

«tristezas à beira-mar» de pinheiro chagas

Image.jpg


Este romance, o único cuja acção decorre por inteiro na Ericeira, surgiu em 1866 no jornal «Comércio do Porto» em forma de folhetim. Seu autor, Manuel Pinheiro Chagas (1842-1895) tinha ao tempo 24 anos e viu a Parceria A.M. Pereira editar o seu folhetim em livro, volume inaugural de uma nova colecção. O ponto de partida para o drama é uma casa situada na branca vila da Ericeira: «pendurada como um ninho de gaivotas, na solitária fraga». Além de Leonor, essa casa tem como habitantes «um velho quase octogenário, uma velha ainda mais idosa, dois criados e uma criada». Às terças, quintas e sábados a casa do avô de Leonor era frequentada por três figuras - «o comandante do forte, o administrador e o boticário da terra» É nesse espaço definido que Leonor e Jorge vivem um amor feliz até à chegada de Madalena que vem de Lisboa - «o seu rosto podia, pela pureza das linhas, servir de modelo às mais acabadas criações doa artistas italianos». Para o autor do livro «Leonor era a flor das solidões e Madalena a rosa das salas». Talvez por isso Madalena responde um dia a Leonor: «Não me perguntes o que são amores, pergunta-me o que são tristezas!» O triângulo (Jorge, Madalena, Leonor) não resiste às tempestades sentimentais do romance e acaba por se desmoronar. Jorge casa com Madalena, vai para Lisboa e deixa Leonor na solidão da Ericeira. A Cidade vence o Campo mas no final é na casa da Ericeira que Madalena, já viúva vem descansar com a sua jovem filha (Leonor) junto de sua irmã Leonor. Jorge morre no naufrágio do vapor «Porto» quando ia à cidade do Porto receber uma inesperada herança de um tio. O Campo vence a Cidade no final, Lisboa perde para a Ericeira. Manuel Pinheiro Chagas hoje escreveria este livro de outra maneira. Evitaria o abuso dos advérbios de modo e o recurso ao lugar-comum como por exemplo na página 83 - «O forte da Ericeira é um desses recintos fortificados» ou o descuido de escrever Donizette por Donizetti na página 75. Um clássico que resistiu ao tempo e ainda hoje se lê com proveito. (Editora: Mar de Letras, Introdução: Sebastião Dinis, Fotografias. Jorge Oliveira, Capa: Maria João Gromicho) José do Carmo Francisco --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 20:12



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Visitas