Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 21.09.16

«suicidas» de henrique manuel bento fialho

530.jpeg


Henrique Manuel Bento Fialho (n. 1974)é licenciado em Filosofia, trabalha como livreiro em Caldas da Rainha e estreou-se no ano de 1997. Neste nono livro de poemas faz não apenas um inventário de suicidas mas também uma viagem ao Surrealismo na página 66: «Fernando José Francisco casou, acabou-se a história; António Maria Lisboa deixou-se morrer; Gonçalo Duarte foi para Paris morrer de fome; Manuel d´Assumpção cortou os pulsos e enforcou-se no dia em que o homem chegou à Lua; João Artur Silva fugiu para Londres e nunca mais foi visto; Mário Henrique Leiria e Carlos Eurico da Costa aderiram desesperadamente ao Partido Comunista Português; Virgílio Martinho, assassinado pelo cancro; Ricarte Dácio de Sousa, matou a mulher, matou o filho, matou o gato e matou-se; João Vasconcelos Pascoaes assassinado pelo cancro; Ernesto Sampaio morreu de amor; Pedro Oom morreu de emoção…» Dos 51 suicidas que dão título aos poemas 6 são portugueses: Antero de Quental, Camilo Castelo Branco, Eduardo Guerra Carneiro, Florbela Espanca, Manuel Laranjeira e Mário de Sá-Carneiro. Num dos poemas em prosa surge esta curiosa definição: «A poesia é um lugar perigoso, é um carrocel sem rede, a filha tem febre e tu não te vacinaste, nas escolas perdura o medo, o mundo é um lugar perigoso.» Não interessa, portanto, discutir se o poema em prosa vem de Rimbaud ou de Baudelaire ou mesmo de Aloysius Bertrand ou até de Novalis. Ao inscrever o nome dos suicidas numa espécie de inventário sentimental, o poeta adverte: «Ninguém sabe da vida de ninguém, evidentemente.» Ou dito de outra maneira: «Isto não é o paraíso (…) o mais provável é não haver nenhum paraíso para lá desse caudal onde pensas mergulhar, o mais provável é ficar-te o corpo pendurado pelo pescoço a servir de ponteiro em mais uma rasteira do tempo, o mais provável é nem sequer virem a dar pelo teu desaparecimento» Entre o pó (mais que certo) e a posteridade (relativa) o poema pode ser esse teimoso intervalo de memória contra o esquecimento: «Dizem que era um bom rapaz, amigo dos animais, sensível, ia ao teatro, não era como os outros, amava a filha que Deus lhe roubou, era um bom rapaz, morreu-se». Henrique Manuel Bento Fialho escreve para juntar de novo tudo o que a morte separou e confirma uma ideia de Camilo Castelo Branco sobre a Poesia: «Ela não tem presente; ou é sonho ou é saudade». (Edição: Deriva Editores) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 08:06



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930





Visitas