Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Domingo, 17.05.15

«parem as máquinas!» de gonçalo pereira rosa

Image.jpg


Com o subtítulo de «Glórias, peripécias e embustes do jornalismo português», este livro de Gonçalo Pereira Rosa (n.1975) vem ocupar um espaço de reflexão sobre o nosso jornalismo. A partir do Blog «Ecosfera» o autor (jornalista desde 1994 no «Sporting») revisita casos da história do jornalismo. A piada afirma ser o jornalista o único que leva os seus erros para a primeira página. O médico enterra os erros, o advogado remete-os para a prisão; só o jornalista os revela. Vitorino Nemésio referiu esta profissão como «o pão que o Diabo amassou». O subtítulo é certeiro. São três os caminhos do jornalismo: pouca glória, muitas peripécias e alguns embustes. Há pouco tempo um indivíduo que deixava nas secretárias dos redactores do jornal do Sporting as soluções milagrosas para o Clube se apresentou como perito do Banco Mundial e da ONU e foi ouvido nos jornais. Houve quem acreditasse pois a boa-fé é infinita. Numa nota de leitura apenas ficamos nos casos referidos ao longo de 254 páginas: 1883 Pinheiro Chagas e Magalhães Lima num duelo, 1895 José Fernandes de Aguiar o lobisomen de Paranhos, 1908 Luís Derouet em «O Mundo» noticia o funeral dos regicidas, 1910 José Maria da Silva na Ericeira fotografa a fuga da família real, 1914 «O Mundo» dá como eleito um papa português a partir de um telegrama forjado, 1918 Reinaldo Ferreira, o Repórter X, cria o falso crime da Rua dos Fanqueiros, 1919 Acúrsio Pereira acredita numa criança e procura uma quadrilha de bandidos, 1930 Ferreira de Castro em Dublin fala com Eamon de Valera, 1932 «Notícias Ilustrado» apresenta lado a lado nos Painéis de São Vicente Estevam Afonso e Salazar, 1933 o americano Lindbergh desceu o hidrovião no Rio Minho onde três jornalistas portugueses e um fotógrafo o vão ouvir, 1935 Félix Correia e Armando Boaventura vão a Berlim mas a única pergunta que fazem a Hitler é sobre a sua assinatura numa fotografia, 1956 Urbano Tavares Rodrigues no Egipto com Nasser e a crise do Suez, 1957/8 Urbano Carrasco do «Diário Popular» leva uma bandeira portuguesa para a nova ilha formada pela erupção dos Capelinhos, 1961 Três jornalistas na queda da Índia dita portuguesa, 1964 Aurélio Márcio do «Diário Popular» descobre um homem que fuzilou Mata-Hari, 1965 O Prémio da Sociedade Portuguesa de Escritores a Luandino Vieira leva à suspensão por 6 meses do «Jornal do Fundão», 1968 Foi por um triz que «A Capital» não publicou a ementa do director como se fosse de Salazar na Cruz Vermelha, 1970 O falso sábio Alphonse Peyradon é assassinado nas Belas Artes por João Esteves da Silva perante Fernando Namora, Natália Correa, José Palla e Carmo, Vasco Vieira de Almeida, Francisco Keil do Amaral, Raul Hestnes Ferreira , Vera Lagoa e não só. 1971 «O Século» foi apanhado pois os árabes eram portugueses e nada tinham a ver com petróleo, um deles era afilhado de Marcelo Caetano; José Mensurado e Roby Amorim foram vítimas, 1972 Eduardo Gageiro faz as fotos do embarque dos reféns do atentado dos Jogos Olímpicos, 1981 «O Tempo» de Nuno Rocha noticia uma reunião do Conselho da Revolução que não se realizou, 1991 José Goulão e Carneiro Jacinto entrevistam Yasser Arafat para a TSF. A capa da TIME com Salazar ao lado de uma maçã com bicho em 1946 mostra como as pessoas em Portugal estão «empobrecidas, confusas e assustadas». (Edição: Parsifal, Prefácio: Baptista-Bastos, Capa: Pedro Gil, Paginação: Augusto Nunes, Revisão: Ana Mendes) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 10:19



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Visitas