Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Terça-feira, 20.10.15

«o corvo e outros poemas» de edgar allan poe

Image.jpg


Os «outros poemas» de Edgar Allan Poe (1809-1849) neste livro são, além de «O Corvo», «Annabel Lee» e «Ulalume». Mas este volume de 53 páginas inclui, também, um ensaio talvez menos conhecido do mesmo autor («A filosofia da composição») com tradução para Português de João Costa. Edgar Allan Poe começa com uma advertência: «Muitos escritores preferem deixar correr que compõem graças a uma espécie de frenesim subtil ou de intuição extática, e sentiriam positivamente arrepios de tivessem de autorizar o público a lançar uma olhadela aos bastidores da cena e a contemplar os embriões laboriosos e hesitantes do pensamento, a verdadeira decisão tomada no último momento, a ideia tantas vezes entrevista como que num relance e recusando tanto tempo a deixar-se ver em plena luz (…)» E prossegue: «Achava-me, pois enfim chegado à concepção dum corvo repetindo obstinadamente a palavra «nevermore» no fim de cada estância num poema dum tom melancólico e dum extensão de cerca de cem versos. Então perguntei-me: «De todos os temas melancólicos qual é o mais melancólico segundo a inteligência universal da Humanidade? A Morte, resposta inevitável». «E quando» disse de mim para mim «este tema, o mais melancólico de todos, é o mais poético. Pode adivinhar-se facilmente a resposta: «É quando se alia intimamente com a Beleza». Portanto a morte de uma mulher bela é incontestavelmente o tema mais poético do mundo e está igualmente fora de dúvida que a boca mais bem escolhida para desenvolver um tal tema é a de um amante privado do seu tesouro». E conclui: «Duas coisas são eternamente requeridas: uma, determinada soma de complexidade ou, mais propriamente, de combinação; a outra, uma determinada quantidade de espírito sugestivo, algo como uma corrente subterrânea de pensamento, não visível, indefinida. É esta última qualidade que confere a uma obra de arte o ar opulento, a aparência prenhe que, demasiadas vezes, temos a patetice de confundir com o ideal.» Nota final – o valor, o peso e a importância deste livro está na apresentação do original inglês ao lado da versão portuguesa, no caso de «O Corvo» uma dupla versão de Machado de Assis (1883) e Fernando Pessoa (1924) sendo nos outros dois poemas («Annabel Lee» e «Ulalume») as versões assinadas por Fernando Pessoa. (Editora: Fólio Exemplar, Capa: Sofia Ribeiro, Paginação: Ana Nunes, Versões de Fernando Pessoa e Machado de Assis) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 10:23



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Visitas