Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 06.07.16

mediterrâneo» de joão luís barreto guimarães

513.jpeg


Desde «Há violinos na tribo» (1989) que João Luís Barreto Guimarães (n. 1967) tem afirmado uma poesia com voz própria e autónoma mesmo quando intercala outras vozes no discurso do poema. A citação de abertura (Pedrag Matvejevitch) envolve um plural em contradição com o singular que o assina: «Não sabemos ao certo até onde vai o Mediterrâneo». O poema «Os argonautas em Óia» parece ser o ponto de partida deste conjunto: «Para alguns o /fim da terra é decerto /o fim do mundo. Para outros o/ fim do mundo é/o princípio da viagem». Mas a viagem não é o simples registo de partidas e chegadas; é a inscrição do labor oficinal: «Chegou ao fim / a recarga da caneta que em deste / depois de um dia de chuva a/ lutar conta o poema.» Entre a Natureza e a Cultura, a voz do poeta interpela Deus. Pode ser em Jerusalém («Logo à entrada da praça / do templo de Salomão / um soldado israelita buscara em nossa posse / a arma de onde pudéssemos extrair a / Morte ou o Mal». Ou então em Marraquexe: «do alto do minarete do souk de Marraquexe / o chamar do muezin faz questão de relembrar / que Maomé é o profeta / (o Deus único é Alá) / nessa canção que o estrangeiro não resiste / a imitar /(ignorante e feliz) num tom / «mais ou menos» / árabe». Outras vezes o poema oscila entre a Geografia e a História. Por exemplo: «Agora é a vez de deixar / que seja o mar a tocar-nos / (o mar interior primitivo o caldo primacial) / ontem rasgado por remos da Fenícia até Cartago». Ou então: «Dobram os sinos católicos para celebrar a vida – onde se ergue esta igreja já foi / um templo pagão (usada como celeiro teatro prisão e paiol). Os muros foram somando / lições de arquitectura (Gótico sobre Românico Barroco sobre Renascentista) dando vida/ à língua morta com que estas paredes rezavam.» O quotidiano está presente; seja individual seja colectivo. Primeiro caso: «As perucas das senhoras em quimioterapia uma / vez por semana fogem para o cabeleireiro». Segundo caso: «Na viagem para Auschwitz a lenha alimenta o vapor. Por fim respiramos fundo. /Que mais pode acontecer?» E afirma o poeta - «Não gosto do Mediterrâneo / transformado em cemitério.» Por sua vez o autor da citação inicial avança no final com uma ideia oposta: «Os sábios da Antiguidade ensinavam que os confins do Mediterrâneo se situam onde a oliveira se detém.» Talvez porque nada existe de mais parecido com um poema do que o azeite em repouso nas tarefas dum lagar. (Editora: Quetzal, Revisão: Teresa Machado, Capa: Rui Rodrigues, Composição: José Campos de Carvalho) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 11:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Visitas