Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Terça-feira, 27.12.16

luis alberto ferreira - método, fôlego e estilo ou elogio da crónica e do cronista

Luis Alberto Ferreira.jpeg


A propósito de um livro de crónicas, Arnaldo Saraiva escreveu esta advertência: «A crónica está longe de ser um subgénero, embora seja um género híbrido porque participa, ou pode participar, da notícia, da nota, do apontamento, do comentário, do artigo, do ensaio, da crítica, da reportagem, da memória, da biografia e, até, do conto.» A citação pode parecer longa mas nela está tudo o que eu penso sobre este género literário e não encontro melhores palavras do que as de Arnaldo Saraiva para dissertar sobre as crónicas de Luís Alberto Ferreira à boleia de uma bela foto devida ao artesanato paciente de Mestre Carlos Vilas. Outro dia neste Blog («transporte sentimental») tive o prazer de evocar uma crónica deste autor a propósito da figura de Vítor Damas. Nessa crónica está o «tempo», aquilo que é mais importante numa crónica, um certo tempo português entre 1947 e 2003,digamos um certo jornalismo que não volta mais porque o «Mundo Desportivo» acabou. É uma belíssima crónica que ocupa no livro «Vítor Damas A baliza de prata» (Editora Gato do Bosque) desde a página 208 até à página 217. Começa por invocar um verso de Vicente Aleixandre («Lá onde o mar é sereno») e continua com Ortega y Gasset na sua definição de geração: «compromisso dinâmico entre massas e indivíduo». Foi em A BOLA que li as primeiras crónicas de Luís Alberto Ferreira sobre uma Luanda perdida no tempo (NGola Ritmos, «Liceu» Vieira Dias, Fernando Peyroteo) mas uma cidade recuperada nos granéis de chumbo de que eram feitos os jornais daquele tempo. Talvez 1978 quando comecei no «Diário Popular» com Jacinto Baptista, meu guia qualificado e sereno neste ofício ao mesmo tempo luminoso e cheio de alçapões mal escondidos. Porque, quer queiramos quer não, é sempre do pó e da posteridade que tratamos quando sopramos com alegria fraterna os clarins das novidades, das luzes acesas e das maravilhas. O Mundo é uma terrível fábrica de esquecimento, o jornal do dia sepulta o jornal do dia anterior. As nossas crónicas mesmo que tenham método, fôlego e estilo vão embrulhar lancheiras de operários e forrar caixotes de lixo. Nunca me esqueço de um gesto de Luís Alberto Ferreira na Rua da Misericórdia quando uma senhora foi atropelada à frente da delegação lisboeta do «Jornal de Notícias» e ele foi a correr buscar uma almofada para a senhora ter um conforto relativo enquanto não chegavam os Bombeiros. É essa «humanidade» que este homem coloca em todas as suas crónicas; escreve com método, fôlego e estilo mas, no fundo, a argamassa do texto é o seu forte sentido de humanidade. --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 09:33



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Visitas