Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quinta-feira, 07.04.16

«largo da mutamba» de domingos lobo

497.jpeg


Domingos Lobo (n.1946) venceu o Prémio Literário Alves Redol 2013 com este volume de histórias; seu título «Largo da Mutamba» acaba por ser o lugar-metáfora de um tempo e de uma guerra que quase não se dá por ela; seja no privado («da guerra não se falava, top secret, assunto reservado à messe de oficiais, coisas de homens») seja no espaço público: «nem sequer os jornais a ela se referem, muito menos a rádio que anda entretida com cantiguinhas de amores lamechas e festivais canoros na televisão que aqui ainda não há». A literatura «(O Leopardo») está presente na vida quotidiana: «Morreu um ditador, outro se lhe seguiu, dizem que mais brando, que alguma coisa é preciso mudar para que tudo fique na mesma». O ponto de partida é a cidade de Luanda e a redacção de um jornal que «ficava numa rua estreita de prédios baixos» onde chega de Lisboa um jovem com bagagem pobre na aparência mas rica em livros: «um Céline, um Camus, um Lawrence Durrel, um Jorge de Sena». O trabalho era rotineiro: «Depois do tirocínio pelas polícias seguia para a baiúca e deglutia o guisado que o tasqueiro lá da rua me fornecia, a preços módicos». A história que dá titulo ao livro («Toda a nudez será castigada») tem o seu nome roubado ao dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues e articula um gesto de censura («Um vigoroso, grosso lápis azul») sobre uma prosa jornalística escorreita, simples e directa: «Noite insólita, fantástica. Vivida no pacato Largo da Mutamba. Um militar do exército passeou nu, de madrugada, naquela conhecida e central praça de Luanda». Enquanto lembra Lisboa («deixei Lisboa, há três anos atrás. A morrinha, o frio e eu encolhido no cais») o autor assiste à debandada geral num linguado por acabar duma máquina de escrever na redacção dum jornal: «A loucura tomou conta de Luanda. Os movimentos de libertação digladiam-se sem tréguas nas ruas da cidade. Os colonos tentam fugir deste Inferno levando o que podem ou o que lhes permitem levar. Não há regras.» Entre um e outro momento, entre a chegada e a partida, a vida em Luanda é um pesadelo («São medonhos os pesadelos nestas noites quentes e enormes») e tudo nessa vida se pode resumir a uma mala vazia: «A mala, a sua mala vazia, estava agora tão leve, evanescente que as suas mãos de vento não a conseguiam agarrar: era apenas o seu corpo, os seus ossos, uma canoa perdida que flutuava à deriva no nevoeiro». Dito de outra maneira e porque a história não acaba – o Largo da Mutamba estava repleto de soldados e de corvos e, lê-se na página 91, «consta que ainda lá estão petrificados». (Editora: Veja, Prefácio: Manuel Frias Martins, Capa: Carlos César Vasconcelos, Revisão: João Ferreira, Paginação: Vítor Batista) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 13:07



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930





Visitas