Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Sexta-feira, 01.05.15

«história da criança em portugal» de maria joão martins

Image.jpg


O ponto de partida deste volume de 197 páginas de Maria João Martins (n. 1967) está na página 13: «O que muda, ao longo dos séculos, não é a natureza do amor pelos filhos, mas o modo como a sociedade percepciona o indivíduo. À medida que melhoram as condições gerais de vida, a comunidade perde importância para o indivíduo que passa a ser visto de corpo inteiro, desde o nascimento até á posteridade.» As rodas dos expostos que em Itália eram «culla per la vita» e em França «tours d´abandon» surgem em Roma no ano de 1198 quando o Papa Inocêncio III decretou a sua instalação em vários pontos de Roma «de modo a evitar que um número crescente de mulheres afogasse os recém-nascidos nas águas do rio Tibre». Já em França, onde a rodas foram criadas por São Vicente de Paula em 1638 sabia-se que em 1789 «os abandonos atingiam 28 por cento dos nascimentos». No Brasil a primeira roda surgiu em 1726 (Salvador) seguindo-se o Rio de Janeiro (1738), o Recife (1788) e São Paulo (1825), situação que só acabou em 1950. Na Europa a mortalidade infantil só começa a baixar entre 1700 e 1800 quando a população europeia triplicou. Na página 61 surge uma definição da infância no século XVI: «Para reis como para camponeses, a infância passava veloz nesses tempos em que a esperança média de vida era curta e em que a morte participava do dia-a-dia das populações com demasiada frequência.» No final do século XVIII pela primeira vez na Europa «as ruas das cidades encheram-se de crianças» graças aos progressos científicos e à chegada de duas revoluções: a Francesa e a Industrial. A mudança das mentalidades é visível numa carta de D. Pedro IV a sua filha: «Num século em que os povos estão mais esclarecidos e já não engolem patranhas, é mister que os seus reis mereçam, pelas suas qualidades, virtudes e saber, o respeito dos seus súbditos e não pelo seu nascimento que de nada vale perante o mundo livre.» Já em 1870 a carta de uma senhora da classe média rural portuguesa à sua cunhada regista a persistência do drama da morte dos filhos: «As crianças pequenas são horrivelmente frágeis e, assim, a vida de uma mãe parece-se mais com a de um jogador». Mas não eram só as doenças que dificultavam o progresso no Portugal republicano. Basta ver os decretos-lei que invocavam no seu articulado «Portugal precisa de fazer cidadãos, essa matéria-prima de todas as pátrias» porque a verdade era outra: à data da implantação do novo regime cerca de 76 por cento da população portuguesa não sabia ler nem escrever. As estatísticas de 1935 apontam para uma criança com menos de 5 anos morta em Portugal de 12 em 12 minutos, em grande parte devido a doenças do aparelho digestivo e as que não morriam «apresentavam condições precárias de saúde, que se evidenciavam no ar macilento, na estatura baixa, muitas vezes numa aflitiva magreza.» Como fim do convite à leitura, fica uma referência às últimas linhas: O menino do cravo emigrou para Inglaterra, sabendo os leitores que ele se chama Diogo Bandeira Freire e em 25-4-74 entrou na fotografia de Sérgio Guimarães no Aeroporto da Portela quando tinha 3 anos. O mesmo aeroporto da fotografia foi por onde o «menino» partiu para o Reino Unido. Emigrou como muitos outros. (Editora: Parsifal, Capa: Pedro Gil) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 17:25



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Visitas