Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Sábado, 04.07.15

«espiões em portugal durante a II guerra mundial» de irene flunser pimentel

Image.jpg


Com o subtítulo de «Como o nosso país se tornou local de passagem de agentes ingleses e alemães», este livro com 479 páginas de texto e 14 páginas de fotografias mais os anexos, as notas, a bibliografia e índice onomástico, começa com uma advertência: «não se espere ver aqui um estudo exaustivo mas apenas uma visão parcelar sobre o tema da espionagem durante a II Guerra Mundial em Portugal». Este Portugal de 1939/1945 surge como o resultado do que aconteceu desde 1932 quando o Estado Novo foi edificado a partir de cima, ficando sempre o movimento partidário único – União Nacional – na dependência do governo, havendo por isso quem o qualifique de fascismo sem movimento fascista». A sombra de Salazar domina: «O regime salazarista tolerava os não-políticos mas vigiava os estrangeiros que se opunham ao fascismo e ao nacional-socialismo e que pudessem tornar-se seus potenciais adversários».

Lisboa era uma cidade «onde se cruzavam espiões, refugiados, diplomatas ou dirigentes estrangeiros», uma placa giratória onde conviviam três partidos: «o partido francês para quem a vitória francesa acarretará o triunfo do liberalismo e do radicalismo, o partido inglês que acredita que a sua vitória trará a derrota de Salazar e o fim do regime enquanto o partido germanófilo vê na vitória da Alemanha a garantia da continuidade de Salazar no poder». O Estado Novo criminalizou a espionagem em 1943 mas em 1944 o desembarque na Normandia aconteceu com o desvio das atenções dos alemães - foram induzidos pelos espiões a pensar que o mesmo ia acontecer no Pas-de-Calais. Foi um templo de aventuras mais tarde passadas a livro por Ian Fleming (o Casino Royale é o Casino Estoril) ou por Graham Greene e Thomas Muggeridge, além do autor romeno Mircea Eliade sem esquecer que a figura de James Bond nasceu aqui. Mas também tempo de ridículo: «A Fábrica de Licores e Xaropes Victoria foi obrigada a retirar os cartazes com esse nome, por receio de que estivesse a propagandear a vitória dos Aliados.» A luta chegava ao circo: «Weltzien conseguira levar para o seu serviço o palhaço do Coliseu dos Recreios, François, que ficou encarregue de arranjar espiões entre o pessoal de circo». Mas também ao amor, como na teia organizada por John Beevor, pai do historiador Anthony Beevor (The Battle of Spain): «uma agente do MI6 arrastou um oficial da Abwehr para uma armadilha numa praia isolada fora de Lisboa. O alemão foi apanhado e transportado por via aérea para Inglaterra antes de a sua embaixada ter tempo de alertar as autoridades portuguesas». (Editora: A Esfera dos Livros, Capa: Compañia, Foto capa: Arcangel Images) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 09:19



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031





Visitas