Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Sábado, 17.12.16

dissertação breve para um olhar sereno e luminoso

Image.jpg


É neste olhar que se fixa toda a luz do Mundo. Tal como na azeitona que nasce verde, e depois de se tornar escura, é colhida em ranchos alegres e fica esmagada debaixo das galgas de pedra no lagar onde depois repousa nas grandes tarefas de latão entre a luz do azeite e o escuro da água ruça. Há uma nova bandeira no Mundo feita no contraste entre o carmim dos teus lábios e o verde, apenas pressentido, do teu olhar. Por sua vez as luvas nas tuas mãos trazem ao clima agreste do Norte da Europa, uma poderosa adversativa de calor. Não há sombras neste olhar, tudo se fragmenta em luz como quando o sol entra e ilumina o lagar de azeite à beira da ribeira a caminho da maior barragem do país. É neste olhar que se fixa o intervalo feliz entre a terra e o céu, entre a água e o pão, entre o sal e o açúcar, entre a alegria e a amargura. Os teus passos são uma nova pontuação, um forte desígnio, um ritmo vibrante. Tudo se coloca em movimento logo que o teu olhar avança para o terreno do futuro. A chuva parou, o céu é agora azul, os pinheiros pingam gotas como se fossem lágrimas e o reino maravilhoso recomeça tudo de novo, convocado pelo teu olhar que o desperta do sono habitado pela noite. A beleza do olhar não tem volume nem dimensão: tudo impõe e tudo determina no silêncio do seu usufruto feliz. Não tem sombras nem peso nem volume; é apena o espelho de uma alegria convocada todas as manhãs por quem sacode o sono, atravessa uma ponte sobre o rio e os grandes navios internacionais para dizer à cidade que tudo continua a valer a pena. --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 13:57



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Visitas