Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 26.11.14

«desporto com política» de antónio simões

Image.jpg


O jornalista António Simões (n.1963), autor de «Glória e Vida de Três Gigantes» (com Homero Serpa e José do Carmo Francisco) volta à História do Desporto português com esta reportagem (Prémio Norberto Lopes -Casa da Imprensa) agora editada em livro. Livro é termo genérico mas a variedade, a riqueza e a raridade de muitas das imagens faz deste volume de 316 páginas uma verdadeira fotobiografia do Desporto em Portugal entre o fim da Monarquia e o tempo actual. Quanto ao texto regista-se uma dupla inscrição: rigor e paixão. O autor sabe que só existe História com documentos: «Em 13 de Setembro de 1908 o Sport Lisboa e o Sport Clube de Benfica fundiram-se – e nasceu o Sport Lisboa e Benfica». Mas também sabe pintar cenários de paixão nos sucessivos capítulos desta aventura do desporto em Portugal. Por exemplo Almada Negreiros: «Em 1913 a fama estoirou com a peça publicada na Ilustração Portuguesa: Um corner de Football. Conheceu Fernando Pessoa, ambos entraram no Orpheu. E quando Júlio Dantas, o guru da literatura conservadora, amesquinhou a revista dizendo que não percebia tamanho alarido em seu redor, eram apenas páginas de pessoas sem juízo, deu-lhe mordaz e irónico, réplica com O Manifesto Anti-Dantas.» Em António Simões a formação universitária não atropela o gosto de ficcionar ambientes. Como quem junta num único estilo de escrita a seriedade de Alexandre Herculano e o colorido de Fernão Lopes. Veja-se a primeira bola na Casa Pia: «Deslumbrados com a novidade, os alunos da Casa Pia inventaram as «cheias»: bolas de trapo e papéis. Francisco Margiochi, o provedor, mandou vir de Londres, pago do seu bolso, bola a sério – e entregou-a, solene, no Pátio das Malvas a Januário Barreto». Ou as palavras de Teixeira Gomes: «O Campeonato de Portugal começara em 1922. Na primeira edição ganhou o F.C. Porto, na segunda ganhou o Sporting. E à terceira o vencedor saiu de uma caixinha de surpresas: o Olhanense. A sua estrela era Raul Tamanqueiro. No final do jogo, Teixeira Gomes chamou-o à tribuna para o cumprimentar… - E que trouxesse os companheiros também!» Nota final – Foi num jornal caldense que António Simões se iniciou no jornalismo com 16 anos assinando uma reportagem sobre um grave problema da sociedade: a prostituição juvenil. (Edição: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Prefácio: Vítor Serpa, Apoio: A BOLA e CNCCR, Design: Henrique Cayatte, Ana Machado e Rita Múrias, Iconografia: Inês Queiroz) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 10:53



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30





Visitas