Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 03.02.16

«avós são reis por detrás dum vidro» de vergílio alberto vieira

Image.jpg


Vergílio Alberto Vieira (n.1950) escolhe para título deste conjunto de 22 poemas um verso de Luiza Neto Jorge (Avós são reis por detrás dum vidro) e afirma na «memória justificativa» deste seu recente livro: «para os avós, o amor dos netos não é regresso ao passado mas regresso ao presente – esse eterno presente para o qual a vida não é caminho mas razão para caminhar». Num certo sentido esta ideia de Vergílio Alberto Vieira cruza-se com Camilo Castelo Branco (1825-1890) quando afirma: «A poesia não tem presente: ou é esperança ou saudade». Temos o amor dos netos como ponto de partida mas esta poesia sábia, adulta e sintética não se satisfaz com as ilustrações dos netos do poeta, antes procura e encontra os desenhos de Emerenciano (n. 1946), autor de vasta obra de referência nesta área da ilustração de livros. Nesta nota que procura saudar, situar e referir um livro novo, há um poema capaz de sintetizar a vida que permanece, o poema «Casa»: «Protegida p´los ulmeiros / Que, há um século, ali cresceram / Do chão que os mestres pedreiros / P´ra morada dela ergueram / Rende-se a casa ao lugar / De ausência que a habitou / Sempre que, de volta ao lar / A morte por ali passou / De heras coberta, a fachada / A que as telham pesam mais / Deixam-na só, abandonada / Ao silêncio dos beirais / Janelas outrora abertas / Fecham-na, então, à passagem / De almas feridas, desertas / Que partiram, em viagem / Pela memória esquecida / De que não ficou sinal / De regresso, à luz perdida / Entre escombros, pedra e cal.» Por fim se refere e cita o poema «Estátua» como exemplo de «moral da história» que toda a narrativa ou poética persegue. Porque entre o precário da Vida e o inevitável da Morte só o Amor nos pode resgatar. Também no parque da cidade a estátua permanece entre solidão e esquecimento a dizer em voz alta e teimosa que não quer morrer: «Até que a luz regresse / Ao ponto donde partiu /Com ninguém mais se parece /Senão pois com quem a viu / Ser em sal transformada / Receber da noite a nudez / De estrela transfigurada / No sol de que se fez / Estátua depois esculpida /Pela mão que a levantou / À altura então devida /Ao fogo que a forjou /No parque, que a não vê / De dentro da escuridão /De bronze tem à mercê / O eco da solidão / Que a expõe à eternidade / De olhos abertos sem ver / Que o que fica da saudade / Também começa a morrer.» (Editora: Crescente Branco, Ilustrações: Emerenciano) --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 10:04



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829





Visitas