Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 16.12.15

afinal o dantas não morreu e está bem vivo nas páginas dos seus livros

Image.jpg


Devo a Alexandre O´Neill a chamada de atenção sobre a obra de Júlio Dantas na Rua da Rosa onde se encontrava com Jacinto Baptista no jornal «O Ponto». Mais palavra menos palavra, ele teria dito «o Dantas é um excelente escritor» porque aquilo do «Manifesto» do Almada Negreiros calhou a ele como podia calhar a qualquer outro. Era uma questão de vanguardas literárias: os do «Orpheu» eram novos e queriam ocupar um espaço onde já estavam os outros. Devo a Fernanda Frazão o gentil empréstimo da edição original de 1916 do livro «O amor em Portugal no século XVIII» com ilustrações de Alberto Sousa. O seu texto de Júlio Dantas sobre o «menino pobre» é notável: «Nascia entre pragas pelas betesgas, nas celas humildes dos conventos, às vezes nos poiais das portas. Não era um sorriso que os pais viam nele; era mais uma boca a pedir-lhes pão. Não era a glória dum amor que se grita e se beija; era, tanta vez, a vergonha dum crime que se cala e se esconde.» Notável é também o seu texto sobre os crimes das ruas-sujas de Lisboa que durante um século preocuparam os governantes e só se resolveram em 1780 com o Intendente Diogo Inácio de Pina Manique: «Como? Levantando forcas? Derramando sangue? Não. Muito simplesmente: iluminando a cidade. Nesse dia, o terror da rua-suja acabou». Notável ainda a entrada sobre as freiras casquilhas do tempo: «Sabem para que era que, no século XVIII as meninas fidalgas se faziam freiras? Para que era que se amortalhavam numas varas de burel e se sepultavam vivas numa claustra de mosteiro? Para terem liberdade. Nada mais absurdo; e, entretanto, nada mais verdadeiro. As grades dos conventos chegaram a representar para a mulher portuguesa de 1700 alguma coisa parecida com uma libertação.» Uma nota final para um padre no Paço da Ribeira a dizerpara um archeiro real: «Amigo, as mulheres são falsas, enredadeiras, mentirosas, poços de vícios e de maldade mas Deus Nosso Senhor não nos falte com uma!» --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 09:58


3 comentários

De simplesmente avô a 16.12.2015 às 11:20


O seu post está excelente.
Fico a dever-lhe a minha mudança de opinião sobre o escritor Dantas.
Muito obrigado.

De Alexandra a 16.12.2015 às 13:16

Aconteceu o mesmo comigo! Agora sinto-me na obrigação de ler uma obra dele

De Margarida Diogo Barbosa a 16.12.2015 às 13:59

Apenas tenho a leve ideia de Júlio Dantas na perspectiva negativa. Parabéns!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031





Visitas