Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Transporte Sentimental



Quarta-feira, 29.04.15

a última aguardente do tio nascimento

Image.jpg


Bebo devagar um cálice de aguardente branca e muito leve, puríssima e macia, tal como saiu do alambique no passado mês de Setembro. É uma aguardente que não pesa no estômago e que torna as digestões mais suaves. Mas não a posso gastar muito depressa porque esta aguardente é uma memória viva do meu Tio Nascimento e da sua Atalaia do Ruivo, paisagem perfeita entre sol e pó, entre pedras e pinheiros, entre água e vento. Lugar mágico onde a terra quase se junta ao céu numa espécie de oração sem palavras. Dois dias antes de morrer com o coração cansado e incapaz de trabalhar mais, este homem que foi, em novo, ceifar todas as searas do Alentejo e das regiões espanholas fronteiriças, estava possuído de um vigor inesperado e obrigou os filhos e as noras a trabalharem ainda mais para irem entregar o bagaço e o folhelho da uva a um certo alambique para os lados da Serra das Corgas. Depois foi fazer uma festa ao burro e enxotar as galinhas antes de olhar as cabras. Entretanto morreu na grande cidade um dia antes de fazer a grande intervenção cirúrgica que lhe poderia ter prolongado a vida caso corresse bem. Mas não correu. Hoje este gesto de beber um cálice de aguardente tem para mim o valor de um regresso. Esta bebida guardou a paisagem povoada pelo Tio Nascimento entre o seu lugar de sempre, a sua casa dos ventos onde se vê ao longe um bocado de Espanha e, mais perto, a terra das cerejeiras em flor. Essa paisagem povoada onde o corpo do Tio Nascimento descansa no cemitério da Sobreira Formosa mas onde o espírito circula no sabor macio e puro, leve e branco desta aguardente que não pesa no estômago. Porque incorpora a memória destilada de um homem cheio de humanidade. --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 17:04


1 comentário

De Joaquim Nascimento a 29.04.2015 às 21:34

Não, não sou o seu tio, embora tenha o mesmo apelido, nem tenho esse maravilhoso bagaço, nem na garrafa, nem a escorrer pela garganta abaixo, tão de mansinho que nem se dá por ele, só se sente quando o néctar decidir que são horas de subir à cabeça, no percurso inverso que é o seu grande Destino.
Estou a sentir-lhe o cheiro, o bouquet como os entendidos dizem - imagine-o quem não puder experimentá-lo, é o meu caso - oxalá você tenha um balão adequado e para que todo o cheiro se concentre no seu bojo, o pouco que lhe resta da herança de seu tio, não a beba, snife-a, perfume-se com ele e, deste modo fica um rasto que pode durar anos. Produzir e poupar, como dizia o outro e quanto menos produzirmos mais temos que poupar, isto digo eu.
Nos Pereiros, em casa dos meus primos, ainda sobra uma escassa pinga de bagaço que o meu primo Francisco, como o seu tio Nascimento, ainda fez, está guardado religiosamente para o Natal e para a Páscoa, são duas vezes por ano, mas ainda assim são demais e o bagaço uma festa destas vai-se-nos e a festa ficará menos festiva, como há.de acontecer consigo e com o seu. Nós, em alguns dias de sorte, ainda bebemos um bagaço decente, é o da tia Elvira, mãe do Bernardo que o vai partilhando connosco, obrigado a ela, obrigado a ele. Eu aqui por baixo também bebo um bagaço decente, é de medronho e dele garanto a legitimidade, garanto eu e garante Lúcia Guerreiro que faz cozinha alentejana aqui no coração de Albufeira em "Alentejana Marafada" e que perde alguns domingos à procura do medronho por tudo o que é serra algarvia que são só duas, a de Monchique e a do Mu ou Caldeirão, Bebe-se tão bem, sabe-me ao medronho dos anos 60 que eu descobri em Tavira e de que, desde logo, gostei, bebia-se muito na tropa, bebia-se muito no mar, bebia-se muito em terra, bebia-se muito na guerra, mas eu ainda qui estou.
E de medronho me basta mesmo que tenham que mo vender disfarçado de outro álcool, parece que a asae embirra com medronho de Lúcia, e da serra algarvia, continuemos pois no seu bagaço de seu tio Nascimento, antes que alguém se chibe do meu, uma garrafa de bagaço é uma boa herança e então, se fosse uma por mês, era um banco de bagaço, oxalá que você saiba poupá-lo, Poeta, quando não chegar para o beber, cheire-o que lhe vai durar muito mais.
Boa noite Poeta, à sua saúde e à nossa, oxalá que o Bernardo tenha trazido reforço que,na segunda, lá estamos para o que der e vier.
Um abraço, este escrito fez-me sede e lá vou eu sacrificar um dedal de Antiqua, porque não tenho a sorte de ter aqui á mão a aguardente do meu primo, menos ainda a de seu tio, com que acabamos por evocar a memória de tio e primo, a memória que lhes prolonga a vida, nessa coisa tão simples e tão complexa, na pequena dose de aguardente branca, o bagaço dos nossos tios, o bagaço de nossos primos, o bagaço e cada dia nos dias de hoje. E não dizem que Pessoa, aqui que ninguém nos ouve, em fragrante de litro?! Bons tempos.
29.04.2015

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930





Visitas