Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Segunda-feira, 11.02.13

lugares e ofícios, gente e sentimentos, costumes e mistérios

Image.jpg


«25 Mosaicos – Contos e não só» de António Manuel de Sousa Bernardes
As 25 histórias breves deste autor natural da Estremadura (Peso, S.
Catarina, 1935) são muito diversas. Englobam fábulas (leões, mochos,
corujas) e figuras da Natureza (rochedo) mas o grosso dos contos tem a ver
com a gente que povoa algumas aldeias estremenhas. Há nestas páginas
figuras de crianças, de homens ora desconfiados ora espertos e de mulheres
a contas com as suas tarefas transparentes (porque repetidas) mas sem as
quais a aldeia não vive.
A figura do suicida (uma suicida) surge no conto «O tio Mourão», António
Maciel de seu nome civil, que conta no sábado à noite no barbeiro do Casal
do Rio um episódio de feira: «Hoje na Banadita eu é que me impus. Têm a
mania de vir para ali todos janotas, soberbos por terem a carteira quente
mas, desta feita, um finório teve que lovar a bezegra por aquilo que eu
quis e não por aquilo que ele entendeu.» Afinal 26 notas de 100 escudos não
são 29 notas: o comprador ofereceu mais do que o vendedor pediu, este ficou
irritado por o outro lhe ter chamado Ti Zé. A vida ia correndo, a loja de
barbeiro ia mudar para um rapaz novo que namorava uma cachopa da Venda das
Raparigas quando um certo dia o tio Mourão descobre que a sua filha (Bina)
bebe o vinho que ele guardava para os amigos e para os cavadores à jorna.
Passado pouco tempo a rapariga atira-se para dentro de um poço («a
portinhola está aberta») de onde é retirada já sem vida pelo irmão mais
novo (Vítor) que para tal desceu numa canastra presa à corda da roldana.
Com a morte da filha e vivendo uma estranha situação matrimonial (viúvo e
casado com separação de bens, a mulher vinha do Vimeiro aos sábados
visitá-lo), o tio Manuel Mourão deixou de dar uso ao sacho na limpeza das
fazendas: («Mete dó olhar para as suas terras!») e desistiu de viver, aos
poucos.
Há nestas 196 páginas memórias cruzadas de lugares e ofícios, gente e
sentimentos, costumes e mistérios. Nem falta a expressão local de uma
oficina de cutelaria, daquelas que fizeram uma forte marca no tempo de
quase todos nós, os que somos dali e para sempre. Porque, como dizia
Vitorino Nemésio, «para nós a Geografia é mais importante do que a
História».
Nota final – os livros deste autor estão presentes na Livraria
Parnaso (Caldas da Rainha) e no Quiosque da Vila (Santa Catarina).
José do Carmo Francisco
--

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 20:55



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728





Visitas