Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Sexta-feira, 25.01.13

novo livro de ruy ventura na editora licorne

Image.jpg


Para quem no seu primeiro livro desenhou uma «Arquitectura do Silêncio» não
deixa de surpreender esta «Contramina» que transporta uma fala múltipla,
diversa e em dispersão como um teatro. Não o edifício mas a peça onde os
autores surgem no palco ao ritmo da marcação do encenador. Que é, neste
caso, o poeta. Existem, nesta sucessão de falas, dois mundos em paralelo. O
mundo mineral - «não existe milagre nem metáfora, no eixo do planeta, a
presença nasce de um encontro mineral» - ao lado do mundo sentimental: «uma
figura atravessa a imperfeição da luz. nela terá de entrar, contudo, um
líquido escuro, talvez mesmo a espiral governe (mantenha em movimento) o
motor que comove a existência». Entre estes dois mundos, a linguagem
procura uma ordem: «há uma face virada a nascente, esperando o centro da
noite, o interior da fala. mudo as palavras mas não consigo ordenar as
letras que compõem o universo».
A vida e o Mundo podem trazer ao nosso olhar um mapa de angústia: «o adobe
desfaz-se com o gelo. a casa dissolve a pedra, o lençol, o livro, a legenda
e a lembrança – onde vemos aquele ramo segurando a nossa angústia».
Ou um mapa da alegria de nascer: «recebemos o pão, o segredo da água, nas
linhas do edifício. desenhamos na mão a planta, a raiz da planta que
atravessa o coração. A cidade nasce». Outras vezes a vida e o Mundo juntam
dois universos opostos: o físico e o moral, «moléculas e memórias» como
afirma o poema: «o sal conservou a imagem de uma mulher corroendo a
saudade. seccionou o silêncio para nele depositar a fonte da tristeza».

As falas sucessivas constroem uma filosofia («morremos – e só assim
conseguimos esperar»), uma moral («lutamos contra o tempo para que o tempo
nos conforte»), uma verdade («nenhuma palavra corrige a escrita anterior»)
e uma conclusão: «todos os seres nos pertencem e nos modificam». Neste
livro o corpo projecta o Mundo como sua imagem: «sangra-se o poema. não
sobrevive se a água não circula pelas veias. setenta por cento do poema é
apenas água (salgada), sal da terra. a mina sustenta todas as formas de
vida que povoam e elevam a existência». Uma nota final para o título
– um dos sentidos da palavra «contramina» em verbo é desfazer e
desmontar uma traição ou um engano. Ao dedicar o livro a Carlos Garcia de
Castro e Maria Guadalupe Alexandre com homenagem a Judite Peres e Raul
Cóias Dias, o autor mostra como a Poesia é sempre e também um novo trabalho
sobre a linguagem - afinal matéria provisória mas que existe, que funciona
e que permanece.
(Editora: Licorne, Grafismo: Isabel Bilro, Posfácio: António Cândido
Franco)
José do Carmo Francisco
--

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 11:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031





Visitas