Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Transporte Sentimental



Domingo, 05.04.15

«25 mosaicos» de antónio manuel sousa bernardes

Image.jpg


As 25 histórias breves deste autor natural da Estremadura (Peso, S. Catarina, 1935) são muito diversas. Englobam fábulas (leões, mochos, corujas) e figuras da Natureza (rochedo) mas o grosso dos contos tem a ver com a gente que povoa algumas aldeias estremenhas. Há nestas páginas figuras de crianças, de homens ora desconfiados ora espertos e de mulheres a contas com as suas tarefas transparentes (porque repetidas) mas sem as quais a aldeia não vive. A figura do suicida (uma suicida) surge no conto «O tio Mourão», António Maciel de seu nome civil, que conta no sábado à noite no barbeiro do Casal do Rio um episódio de feira: «Hoje na Banadita eu é que me impus. Têm a mania de vir para ali todos janotas, soberbos por terem a carteira quente mas, desta feita, um finório teve que lovar a bezegra por aquilo que eu quis e não por aquilo que ele entendeu.» Afinal 26 notas de 100 escudos não são 29 notas: o comprador ofereceu mais do que o vendedor pediu, este ficou irritado por o outro lhe ter chamado Ti Zé. A vida ia correndo, a loja de barbeiro ia mudar para um rapaz novo que namorava uma cachopa da Venda das Raparigas quando um certo dia o tio Mourão descobre que a sua filha (Bina) bebe o vinho que ele guardava para os amigos e para os cavadores à jorna. Passado pouco tempo a rapariga atira-se para dentro de um poço («a portinhola está aberta») de onde é retirada já sem vida pelo irmão mais novo (Vítor) que para tal desceu numa canastra presa à corda da roldana. Com a morte da filha e vivendo uma estranha situação matrimonial (viúvo e casado com separação de bens, a mulher vinha do Vimeiro aos sábados visitá-lo), o tio Manuel Mourão deixou de dar uso ao sacho na limpeza das fazendas: («Mete dó olhar para as suas terras!») e desistiu de viver, aos poucos. Há nestas 196 páginas memórias cruzadas de lugares e ofícios, gente e sentimentos, costumes e mistérios. Nem falta a expressão local de uma oficina de cutelaria, daquelas que fizeram uma forte marca no tempo de quase todos nós, os que somos dali e para sempre. Porque, como dizia Vitorino Nemésio, «para nós a Geografia é mais importante do que a História». Nota final – os livros deste autor estão presentes na Livraria Parnaso (Caldas da Rainha) e no Quiosque da Vila (Santa Catarina). --

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José do Carmo Francisco às 09:51



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930





Visitas